Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

blogue do siman

escritor • crítico • diretor de teatro • editor

poema triste

Novembro 29, 2015

11401319_652650051503688_653669887618264090_n.jpg

 

ah, como eu queria que tu soubesses que ando tão mal,

que ando lendo poemas tristes,

que ando chorando pela casa inteira, tomando banho nas lágrimas, lavando com elas a louça...

ah, como eu queria que não ressentisses tanto

meus romantismos baratos, minhas serenatas, meus poemas românticos,

meus beijos incontroláveis, meus desejos desenfreados...

 

meu paletó verde musgo que não gostas, já atirei à fogueira.

lembro-me que, também meus sapatos rotos, que tinhas vergonha, doei aos mendigos

— e podes até não gostar quando digo que doei: perdoe-me pela mania de fazer o bem.

a poltrona fedida e poeirenta, que sempre quiseste jogar fora,

também joguei à fogueira. estou fazendo uma fogueira enorme com tudo o que não gostavas.

 

pedir-te-ia pra voltares pra mim, mas a fogueira agora queima lá fora

e tenho que atirar-me nela.

 

(lembra-te que disse que estou fazendo uma fogueira com tudo o que não gostavas?)

 

agora, por favor, pelo amor de deus, volte pra casa, que ela te espera e anseia pelo reencontro.

viva nela que ela vive em mim, e em mim vive o fogo, suas chamas, a poltrona que não gostavas, o paletó verde musgo, os chapéus de palha, os cachecóis que, mesmo em clima tropical, eu insistia em usar.

e na chama, se chegares a tempo, encontrarás uma última palavra,

um resquício de voz que deixei pra quando chegasses,

que cochichará em teu ouvido o que sabes e não queres saber, e que ninguém mais saberá, porque talvez atirar-te-á também ao fogo e queimarás comigo pra eternidade.

 

amo-te mais que tudo — e sempre

 

não demore a chegar

ser odiado não é fácil (borba figueiras)

Novembro 24, 2015

 

eu, quantas vezes
lutando contra tudo,
lutando contra todos,
     e sofrendo sozinho!?
 
eu, quantas vezes
exército assíduo e militante,
incessável fonte de força,
     e definhando sozinho!?
 
eu, quantas vezes
rapidez, sagacidade,
astúcia e juventude em lutas,
     e lerdo, sonso, quase morto sozinho!?
 
eu, quantas vezes
debatedor fervoroso,
com opiniões contrárias às de todos,
     e taciturno, desistente primário!?
...............................................................................................
com o decorrer dos anos,
das batalhas, dos debates, das discussões,
vi-me acompanhado por uma vontade incessante de vencer.
hoje vejo-me necessitado de lutar — e luto.
 
mesmo sozinho.
mesmo sendo um grão de areia no areal da arrogância.
ser odiado não é fácil
     — e ser amado, por acaso, é?

cera, mel & fel

Novembro 18, 2015

a raylan, o permitido

 

tu já fizeste

morada em mim

 

                    permiti

                    que entrasse em meu mundo

                    escuro

 

     acenda uma lamparina,

     meu amor,

     uma vela

                    — não uma lâmpada,

                    pois já é demais —;

          mas peço-te

          uma coisa:

                    se adormeceres

                         algum dia

                    dentro de mim,

                    apague a luz

                         — molhe as pontas dos dedos na língua

                         e pressione contra a chama

 

                                                            (não me deixe

                                                            pegar fogo

                                                            sozinho)

Quanto vale um rio?

Novembro 18, 2015

Em luto pelo ex-nosso Rio Doce.

 

Quanto vale um rio?

E uma vida, quanto vale?

E centenas de vidas, quanto, Vale?

 

               A lama é suja como o dinheiro

               que mata e destrói.

 

     Essa lama vai deixando o rio

                              — que é doce —

     salgado

     e o mar

                              — que é salgado —

     amargo.

 

Se nada valem vidas,

ou rios,

ou mares,

quanto vale o Brasil?

 

     Vamos ver até quando, Vale!

a(s) dona(s) da noite

Novembro 15, 2015

 

sou poeta

da madrugada

 

     e a madrugada está pra mim

               como está pras putas

               e pras baratas

 

enquanto putas

e baratas

disputam seu espaço na noite,

eu observo as duas brigando

e escrevo

 

as baratas e as putas

          — que, pra muitos,

          não são diferentes —

     digladiam

em busca de uma vitória

     (quem é

     a dona

     da madrugada?)

 

                         ganha a poesia

exagerado

Novembro 13, 2015

11738128_651045774997449_334542396073645775_n.jpg

 

amo

— ah, como te amo! —

     é fundo

     profundo

     profano

 

amo

— que amor inacabado! —

     do fundo da dor

     do fruto da flor

     do fim do falado

 

amo

— e te amo tanto! —

     visão que não enxerga

     amor que não se entrega

     peito alma dor e pranto

 

                                                                                          te amo

                                                                                          e se não amasse

                                                                                                    talvez

                                                                                                    falasse

                                                                                                         algo

 

                                                                                          emudeço-me

                                                                                          (pra eternidade)

não mais

Novembro 12, 2015

a lucas, que não sei o (sobre)nome

11737813_651009028334457_7236543647851104938_n.jpg

 

não procurarei por teu sexo

nem por teu carinho fingido

nem por tua bondade inexistente

               porque teu sexo cansa

               teu carinho vicia em alarido

               e tua bondade mente

 

     quantas vezes quis

     teus olhos nos meus

     tuas mãos atadas às minhas

     teu suor

     que bebi um dia!?

 

          todas as vezes que cri

          na bondade

          e nas falácias de um homem qualquer

          que não sente

          e mente

          quando fala o que não quer

          falar por necessidade

 

                                                            não mais procurarei

                                                            teus beijos molhados

                                                            tua boca carnuda

                                                                 vermelha

                                                            tua gula

                                                            e tua oração aos deuses cansados

                                                            de tanta mentira

                                                            pela qual sonhei

 

tenho nojo das tuas deliciosas nádegas

tenho nojo da tua saborosa boca

tenho nojo do teu inesquecível abraço

                    tenho nojo

                    e não mais procuro

                                        — faço

                                        e mais nada —

 

     me d

               e

                    r

                         r

                              u

                                   b

                                        o e me

     recomponho

 

     não mais implorarei por mensagens

     por cartas

     por declarações

     já que teus amores tantos

     só causam-me prantos

     e tuas marcas

                                   — tantas marcas! —

     são mais que canções

     e mais que passagens:

               c o n s t r u ç õ e s

               i  l  u  s  õ  e  s

               m   i   r   a   g   e   n   s

 

não mais

deleitar-me-ei no que é teu

tenho uma cabeça viva

uma sexualidade ativa

e uma atividade incessante

— que sabes bem qual é —

 

o que é meu

                     a mim pertence;

o que é teu

                    a mim, também, pertence

 

     e caso não percebas

     o que quero dizer

ignore

 

               não procurarei por teu nexo

                    nem por teus gemidos

               nem por teu incidente

gaivotas

Novembro 11, 2015

 

pelas mãos que sonham tocar-te

pela boca que anseia em beijar-te

pelos momentos

     — ah, tantos momentos! —

 

pelo calor dos dias atuais

pelo quem vem e não volta mais

pelo medo

     — oh, quanto medo! —

 

pelo que há no fundo do céu

e no alto do mar e do léu

as gaivotas

     — ih, quantas gaivotas! —

 

                    e as gaivotas voam sobre o mar de uma cidade poluída e suja

                    e esperamos que um dia a cidade se limpe de tanto horror

                    pelo sonho que a tudo e todos, aos montes, se estruja

                         faça-te belo, sempre belo, mais que belo e puro e doce, sempre, amor

luísa

Novembro 04, 2015

baseado no conto "luísa", de somerset maugham

4.PNG

 

"este é o ponto final da sua vida"

— diz a morte a luísa

 

"este é o ponto final da sua sorte"

— diz luísa à morte

antigo panorama aéreo e recente retrato subterrâneo de ipatinga

Novembro 03, 2015

 

quando criança,
eu via as árvores
e suas aves escandalosas,
via as putas nas ruas tortas do veneza ii,
os maconheiros nos arredores da vila celeste
e achava feio,
via os monstros da infância
nas ciclovias rubras,
os ricos e suas pompas nas ruas limpas do castelo,
e achava chique.

 

eu via ipatinga da forma que ela era.
hoje vejo-a da forma que ela se mostra.

 

na adolescência,
eu vejo as chaminés da usiminas
e o ódio e a exploração que saem como fumaça,
vejo as putas tristes e acho lamentável a situação destas,
os maconheiros no parque ipanema que lutam pela arte
e acho lindo,
vejo os monstros de uma realidade hostil
nas sarjetas boêmias das madrugadas quentes,
os ricos e seu desprezo nas ruas porcas do castelo,
e acho abominável.

 

talvez ipatinga tenha mudado muito nestes treze anos,
mas é mais provável que eu tenha mudado.
e mudei.
ipatinga não é mais a mesma.
nunca foi.

 

eu via ipatinga da forma que ela não era.
hoje vejo-a da forma que ela não quer se mostrar.

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D