Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

blogue do siman

escritor • crítico • diretor de teatro • editor

ocioso oceano

Janeiro 30, 2016

 

mente, oh mente minha

por que insistes tanto no real?

por que não crês no que crias?

          minta, mente minha, minta

          e sinta

          o que só quem mente

          sente

 

quantas vezes, oh mente

me prendeste à realidade?

a esta realidade inútil e mentirosa?

por que não mentes a teu favor?

                                  a meu favor, oh mente

                                       por que não mentes?

 

                    e no orifício

          oculto

                    do ofício

          bruto

entrega-te ao gozo do esplendor

do pensar

do não-ver

do não-objeto

da não-coisa-humana

e sinta, oh mente profana

e minta pra si mesma

e minta

e minta

E MINTA!

 

               oh, mente que tramita

               pelos corredores mais obscuros

               das mais obscuras vidas

               por que não mentes

               oh mente?

               por que só crês

               naquilo que vês?

     naqueles três

     que andam de braços dados?

               (olha a corrente

               que mata gente...)

e ouço um som obscuro

          por detrás do muro

          e que por obséquio me seca

          e eu me seco neste som fosco

          nesse povo tosco

          de mãos dadas

               (...olha a corrente

               que não perdoa nada...)

 

                                                  realidade

                                                  saia de minha mente pueril

                                                  e faça-me ver a verdade

                                                                          a verdade que ninguém nunca viu

 

oh mente, mente minha

por que insistes no visível

no risível mundo real?

seja séria: não faça-te mal

 

               mente, oh mente minha

               quisera eu que jamais visses as mentiras deste mundo real

               quisera eu que vivesses em plena fantasia

                                                       em plena luz do dia

                                                  no sol que raia da janela e expulsa os astros pra dentro de casa

                                                  nos duendes e nas ninfas e nas fadas

                                                  nos gnomos que não vê-se quando está-se sóbrio

                                                  no opróbio

                                                  desenvolver-se do sódio

                                                                            do sádico

                                                                            do nórdico

                                                                            do rádio de pilha da cozinha

                                                                            onde a cozinheira agora escuta amado batista

 

(e nas galáxias que insistem em ser eu

e nas curvas da mulher que desejo

e no toque e no olhar e no beijo

e no lampejo de ideia a cessar

na vela que na saleta se acendeu

e na lâmpada que mais tarde se acenderá)

 

          corpo corpo

          corpo meu

          que de meu nada tem

          se nem minha mente mente quando quero

                    e se nem me dá graça quando ganho desdém

          corpo corpo

          corpo além-

                              mar

                              sonhar

                              cantar

                              imaginar-

                                               se

                              marginalizar-

                                                     se

                              cantar-se

                              sonhar-se

                              (a)mar-se

 

se minha mente talvez fosse mar

seria ocioso oceano

assassinos

Janeiro 29, 2016

 

Cuidado. Cuidado com o que toca. Com a capacidade que gente tem de se envolver com as coisas. Com o amor, que espanca doce.

— Grace Passô, "Por Elise"

 

Picada de cupim dói menos que uma cuia de palavras pesadas

Ai, meus pés

— Rubem Leite, "Palavras"

 

o amor (m)ata

é bom, mas (m)ata

mata como (m)atam as armas

mata como (m)atam as palavras

          (talvez as palavras (m)atem mais que o amor...

mas o amor também (m)ata)

 

quantas vezes eu já morri

por alguém que eu amava

e que nunca me amou?

quantas vezes me cortei

pra provar a mim mesmo

que estava vivo apesar de ter amado?

          não estava vivo! estava mais morto que nunca!

 

e é por causa do amor e das palavras que (m)atam

que eu sofro tanto e morro todas as vezes que amo

e não me faço de coitado:

sei que também sou assassino

........................................................................................................

quantas pessoas você já (m)atou?

siririca a nua arteira estrela

Janeiro 24, 2016

nua.jpg

 

lave os trapos do fino cetim

enxágua-os nas tuas lágrimas

                    nas tuas vertentes

                    no teu sangue

                    de corpo presente

e masturbe-se, siririque-se na ode ao desengano

     e faça-te clara             

        faça-te rara

        faça-te bela

em cada tela

em cada tinta

em cada fresta do pano ou do papel ou do que for

faça-te mais que sempre

                         e sempre amor

estupor diário, cotidiano

beleza que jaz nos túmulos ocultos do desejo

e na catacumba dos lábios, o beijo

e na cripta um lampejo:

                                       masturbe-se, siririque-se na ode ao desejo

 

em planos

e enganos

sacanas

na cama

 

          e sob a cripta do gozo, jaz o sexo, murcho

          e os seios tenros...

          ...os seios tenros...

          ...sei-os tenros...

 

e como numa tela, numa superfície plana que aceite tinta

faça-te mais que sempre (e sempre amor), faça-te bela

e sinta o que ninguém mais sente

e no desejo ardente da tinta rubicunda

em pintura de buceta e bunda

sai nua arteira, onipotente

sempre o amante, sempre a puta, sempre em segundo plano

Janeiro 22, 2016

 

sempre o amante, sempre a puta, sempre em segundo plano...

fonte de prazer — nunca de paixão

muito menos de amor                  

só prazer

só vontade que jaz nos túmulos ocultos do peito

e enrijece o sexo

e faz morder o pescoço

          (boquete dia e noite nas picas solitárias)

 

sempre esquecido por quem devia lembrar

     “ninguém me deu tanto prazer como você”, dizem

ah, se prazer fosse tudo pra mim!

se essa afirmação me deixasse feliz!

 

     e falam como se nós, putas

     não merecêssemos ser amadas

           (puta é um objeto

           que só se come

           e cospe

           e coita

           na moita

           oculta)

 

e eu sou comido e jogado fora às pressas, antes que alguém veja

e se esquecem dos meus sentimentos

e dos motivos dos meus lamentos

e dos momentos

de volúpia ininterrupta durante a madrugada

 

     horas à fio

     horas sem fio

     relógios sem ponteiros

 

enquanto gozam em meu cu e me fazem beijos-gregos

cospem-me

segundo eles pra escorregar melhor

mas não é:

                    cospem-me pelo desprezo que sentem

 

                                   e saio de lá com o cu inchado

 

sempre objeto sexual usado e jogado às traças

                                                          jogado às raças

                                                          jogado às roças

 

que sou eu, segundo eles?

                                            siririca inacabada

                                            lágrima de buceta

                                            que não chega nem aos pés dos olhos

digo à chuva

Janeiro 22, 2016

 

chuva, molhe todo o meu ser.

molhe até o útero que não tenho,

mas não molhe meus cigarros.

...................................................

e quando você acabar,                 

pedirei sua volta como pedi a volta dos homens que amei.

se você voltar outra vez

porque eu pedi — por pura vaidade —,

lhe direi o que disse aos homens que deixei de amar:

                                                                                      não te quero mais.

 

                                                                                      não te quero, mas...

heil hitler!

Janeiro 18, 2016

 

“Ou o mundo se brasilifica

Ou vira nazista

Jesus de Nazaré

E os tambores do candomblé”

— Jorge Mautner, "Urge dracon"

 

os caminhos mórbidos e íngremes por onde andam os imperadores dos tempos de puro ódio

urgem e bradam e estranham os gritos frenéticos da população alemã

     e as tropas chegam como um torpedo

          — não são tropas, são, de fato, torpedos!

 

heil hitler! heil führer!

 

          — fujam! Fujam! FUjam! FUJam! FUJAm! FUJAM!!! FUJAM DOS TORPEDOS! DOS TORPEDOS! DOS TORPEDOS! DOS TOPEDOS! DOS TORPEDOS! PELO AMOR DOS TORPEDOS! FUJAM! FUJAM! FUJAM!

 

a alemanha ressurge das cinzas como uma fênix, gloriosa!

          (heil hitler!)

 

e negros e mulheres e pederastas e judeus penam nos campos de concentração nazista

     e a alemanha ressurge das cinzas como uma fênix, vitoriosa!

e onde enfio meu armamento pesado

no século xxi?

                         enfie no cu

                         dos estados

                         unidos da

                         américa

 

whitman: “o vértice da humanidade será o brasil”

tagore: “a civilização superior do amor nascerá no brasil”

maritain: “o único lugar onde a justiça e a liberdade poderão aflorar juntas é o brasil”

maiakovski: “dizem que, em algum lugar, parece que no brasil, existe um homem feliz”

 

os caminhos mórbidos e íngremes por onde andam os imperadores dos tempos de puro ódio

é o caminho

                    da casa

                    branca

 

                                                  heil bush!

                                                  heil führer!

 

     e onde enfiarei a segunda guerra mundial?

          — enfie nos mísseis e atire!

 

preparar...

apontar...

...

ÉÉÉÉÉÉÉÉ DO BRASIIIIIIIIIIIL!!!

 

                                                                                           (SARAVÁ! KOLOFÉ!

                                                                                           e sob a luz da tropicália

                                                                                           e do teatro oficina

                                                                                           e do santo pai zé celso:

                                                                                                           EVOEROS!)

choro cantado de uma ariadne

Janeiro 14, 2016

a alfredo henrique goetten, com carinho

 

se sofro pelas tuas mãos calejadas

sofro quieta, taciturna, não me manifesto

          sou pra ti ariadne submissa

               e és meu dionísio

                                         

          sou verônica que enxuga o rosto teu

          sou maria madalena que te lava os pés

                                        — e te causa gozo —

               e és o meu cristo

 

berenice & clódia (lésbia, o cróton selvagem, o tinhorão lascivo, a planta mortal, carnívora e sangrenta)

 

          sacio minha sede em tuas turvas fontes

          e lá também me afogo e morro

 

que esperas de uma ariadne pobre

que sonha ser afrodite

mas sofre por não ter nada senão voz?

senão choro entalado na garganta

     e grito arranhado e rouco?

 

                              e empolgo-me com tseu

                              e entrego-me aos peixes do aquário de tseu

               mas pra tseu sou somente minotauro

               e morro pelas mãos do homem que amo

 

não tenha pena de mim, afrodite

tenha pena de ti — não sabes cantar como eu

                                    

                              ...e baco será meu por mérito próprio

lazarus

Janeiro 12, 2016

to david bowie, my dear dead

This way or no way

You know, I'll be free

Just like that bluebird

— David Bowie, "Lazarus"

 

               como farei

               pra que meus tempos

               poucos

               e mortos

               vejam as bundas igualmente?

(my eyes crying)

 

               como tirar

               o batom

               que está impregnado em minha boca

               e faz questão

               de não sair

               como eu faço questão

               de não tirá-lo?

(die or not die? — that is the question)

 

               i’m not a free people

               i’m not a free singer

               i’m not a free writer

                         i’m a free mouse

                         and a free bug

                         and my dreams are scarabs

                                   — advertsing my death —

(e eu? morro-que-não-morro neste leito pútrido de hospital)

 

i, alone in my sepulchre

non draco sit mihi dux

Janeiro 11, 2016

 

martirizado

     canonizado

          desencantado

 

                    (crux

                    sacra sit

                    mihi

                    lux)

 

morro e ressuscito em três semanas

e crio meu mundo interior em sete

 

                     (ipse

                    venena

                    bibas)

 

                              voo co’as asas

                              que deus não me deu

                                        e faço de carrapicho

                                             minha coroa

                                             minha coroa

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D