Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

blogue do siman

escritor • crítico • diretor de teatro • editor

ocioso oceano

Janeiro 30, 2016

 

mente, oh mente minha

por que insistes tanto no real?

por que não crês no que crias?

          minta, mente minha, minta

          e sinta

          o que só quem mente

          sente

 

quantas vezes, oh mente

me prendeste à realidade?

a esta realidade inútil e mentirosa?

por que não mentes a teu favor?

                                  a meu favor, oh mente

                                       por que não mentes?

 

                    e no orifício

          oculto

                    do ofício

          bruto

entrega-te ao gozo do esplendor

do pensar

do não-ver

do não-objeto

da não-coisa-humana

e sinta, oh mente profana

e minta pra si mesma

e minta

e minta

E MINTA!

 

               oh, mente que tramita

               pelos corredores mais obscuros

               das mais obscuras vidas

               por que não mentes

               oh mente?

               por que só crês

               naquilo que vês?

     naqueles três

     que andam de braços dados?

               (olha a corrente

               que mata gente...)

e ouço um som obscuro

          por detrás do muro

          e que por obséquio me seca

          e eu me seco neste som fosco

          nesse povo tosco

          de mãos dadas

               (...olha a corrente

               que não perdoa nada...)

 

                                                  realidade

                                                  saia de minha mente pueril

                                                  e faça-me ver a verdade

                                                                          a verdade que ninguém nunca viu

 

oh mente, mente minha

por que insistes no visível

no risível mundo real?

seja séria: não faça-te mal

 

               mente, oh mente minha

               quisera eu que jamais visses as mentiras deste mundo real

               quisera eu que vivesses em plena fantasia

                                                       em plena luz do dia

                                                  no sol que raia da janela e expulsa os astros pra dentro de casa

                                                  nos duendes e nas ninfas e nas fadas

                                                  nos gnomos que não vê-se quando está-se sóbrio

                                                  no opróbio

                                                  desenvolver-se do sódio

                                                                            do sádico

                                                                            do nórdico

                                                                            do rádio de pilha da cozinha

                                                                            onde a cozinheira agora escuta amado batista

 

(e nas galáxias que insistem em ser eu

e nas curvas da mulher que desejo

e no toque e no olhar e no beijo

e no lampejo de ideia a cessar

na vela que na saleta se acendeu

e na lâmpada que mais tarde se acenderá)

 

          corpo corpo

          corpo meu

          que de meu nada tem

          se nem minha mente mente quando quero

                    e se nem me dá graça quando ganho desdém

          corpo corpo

          corpo além-

                              mar

                              sonhar

                              cantar

                              imaginar-

                                               se

                              marginalizar-

                                                     se

                              cantar-se

                              sonhar-se

                              (a)mar-se

 

se minha mente talvez fosse mar

seria ocioso oceano

assassinos

Janeiro 29, 2016

 

Cuidado. Cuidado com o que toca. Com a capacidade que gente tem de se envolver com as coisas. Com o amor, que espanca doce.

— Grace Passô, "Por Elise"

 

Picada de cupim dói menos que uma cuia de palavras pesadas

Ai, meus pés

— Rubem Leite, "Palavras"

 

o amor (m)ata

é bom, mas (m)ata

mata como (m)atam as armas

mata como (m)atam as palavras

          (talvez as palavras (m)atem mais que o amor...

mas o amor também (m)ata)

 

quantas vezes eu já morri

por alguém que eu amava

e que nunca me amou?

quantas vezes me cortei

pra provar a mim mesmo

que estava vivo apesar de ter amado?

          não estava vivo! estava mais morto que nunca!

 

e é por causa do amor e das palavras que (m)atam

que eu sofro tanto e morro todas as vezes que amo

e não me faço de coitado:

sei que também sou assassino

........................................................................................................

quantas pessoas você já (m)atou?

ausência que me faz amar-te mais

Janeiro 29, 2016

a jonas de frança, nada mais...

 

a sua ausência me faz mal

como a ausência de orações faz mal aos deuses

e como os deuses necessitam de rezas pra existirem

eu necessito da sua presença pra estar vivo no mundo

 

          e aos deuses caem tão bem as orações

          que quando você ficou distante de mim

          eu rezei pra todos os deuses que há

          e pedi que você voltasse logo

                    porque não consigo viver longe de você

                    — como os deuses não existem sem as orações

 

e quando você volta, eu me alegro tanto

me aparecem flores nos lábios

e brilhantes nos olhos

e amo-te, venero-te como se fosse um deus

 

          quando você volta, reconstruo-me

          só pra ser novidade pra você

          e pra que continue me amando

          numa intransigente ida e vinda de desejos

 

                    e se você soubesse como gosto quando você chega

                    sumiria todos os dias só pra me deixar te amando mais

lúcio

Janeiro 25, 2016

 

entrega-te, oh lúcio

e a luz que chegará às retinas tuas

é bem mais que luz das ruas

                                 dos sóis

                                 e faróis

 

entrega-te, oh lúcio           

e o luto que viverás eternamente

com tuas vestes negras e maltrapilhas

vai perseguir os sonhos dos dias felizes que tive

                                                                  que vive

                                                                  que alerta

 

deixa-se a porta aberta

e a tampa do caixão recostada na parede

e a luz entrará em teus olhos fechados

e te fará ver

   te fará crer

   te fará amargurado

 

e nas curvas de uma eternidade sem fim

oh lúcio, entrega-te a mim

e torne-se homem pra todo o sempre amado

e mesmo depois de morto

serás lembrado

um homem absorto

em mar logrado de amor sem fim

                                          sem rim

                                          sem gim

 

entrega-te, então, oh lúcio

à luz dos olhos que não te cega

e te entrega

ao mar do som que não te ensurdece

e envelhece comigo

na eternidade

grudado no meu umbigo

siririca a nua arteira estrela

Janeiro 24, 2016

nua.jpg

 

lave os trapos do fino cetim

enxágua-os nas tuas lágrimas

                    nas tuas vertentes

                    no teu sangue

                    de corpo presente

e masturbe-se, siririque-se na ode ao desengano

     e faça-te clara             

        faça-te rara

        faça-te bela

em cada tela

em cada tinta

em cada fresta do pano ou do papel ou do que for

faça-te mais que sempre

                         e sempre amor

estupor diário, cotidiano

beleza que jaz nos túmulos ocultos do desejo

e na catacumba dos lábios, o beijo

e na cripta um lampejo:

                                       masturbe-se, siririque-se na ode ao desejo

 

em planos

e enganos

sacanas

na cama

 

          e sob a cripta do gozo, jaz o sexo, murcho

          e os seios tenros...

          ...os seios tenros...

          ...sei-os tenros...

 

e como numa tela, numa superfície plana que aceite tinta

faça-te mais que sempre (e sempre amor), faça-te bela

e sinta o que ninguém mais sente

e no desejo ardente da tinta rubicunda

em pintura de buceta e bunda

sai nua arteira, onipotente

diário hospitalar

Janeiro 22, 2016

 

o cigarro que ainda acenderei

jaz no bolso direito da minha bermuda.

é tarde chuvosa no parque ipanema

e acabei de aquecer-me

na barraca da tia lúcia:

               — uma dose de cachaça resolve todos os problemas!

                                              

estou no galpão.

maconheiros favelados e negros ao meu lado direito, muito próximos a mim.

à minha frente, casais heterossexuais namoram, escondendo-se da chuva.

 

               (— sem polícia

               tudo parece um paraíso!)

 

e duas formigas conversam perto de mim, e eu ouço seus sussurros:

                                             — a cachaça é o remédio!

sempre o amante, sempre a puta, sempre em segundo plano

Janeiro 22, 2016

 

sempre o amante, sempre a puta, sempre em segundo plano...

fonte de prazer — nunca de paixão

muito menos de amor                  

só prazer

só vontade que jaz nos túmulos ocultos do peito

e enrijece o sexo

e faz morder o pescoço

          (boquete dia e noite nas picas solitárias)

 

sempre esquecido por quem devia lembrar

     “ninguém me deu tanto prazer como você”, dizem

ah, se prazer fosse tudo pra mim!

se essa afirmação me deixasse feliz!

 

     e falam como se nós, putas

     não merecêssemos ser amadas

           (puta é um objeto

           que só se come

           e cospe

           e coita

           na moita

           oculta)

 

e eu sou comido e jogado fora às pressas, antes que alguém veja

e se esquecem dos meus sentimentos

e dos motivos dos meus lamentos

e dos momentos

de volúpia ininterrupta durante a madrugada

 

     horas à fio

     horas sem fio

     relógios sem ponteiros

 

enquanto gozam em meu cu e me fazem beijos-gregos

cospem-me

segundo eles pra escorregar melhor

mas não é:

                    cospem-me pelo desprezo que sentem

 

                                   e saio de lá com o cu inchado

 

sempre objeto sexual usado e jogado às traças

                                                          jogado às raças

                                                          jogado às roças

 

que sou eu, segundo eles?

                                            siririca inacabada

                                            lágrima de buceta

                                            que não chega nem aos pés dos olhos

digo à chuva

Janeiro 22, 2016

 

chuva, molhe todo o meu ser.

molhe até o útero que não tenho,

mas não molhe meus cigarros.

...................................................

e quando você acabar,                 

pedirei sua volta como pedi a volta dos homens que amei.

se você voltar outra vez

porque eu pedi — por pura vaidade —,

lhe direi o que disse aos homens que deixei de amar:

                                                                                      não te quero mais.

 

                                                                                      não te quero, mas...

o sol que queima os olhos de deus e do diabo

Janeiro 22, 2016

 

após assistir “deus e o diabo na terra do sol”, de glauber rocha

levo na vida duas certezas

que nunca se dissiparão — espero eu —

e que na crença de uma vida futura, mesmo que pouca

afirmo a mim mesmo      

o que todos estão cansados de saber:

 

          “o sertão vai virar mar

          e o mar virar sertão”

 

e meu povo vai beber da água salgada

e se refrescar nos dias de sol estridente

     “...e os cavalos vão comer as flores...”

...............................................................................

                    “a terra é do homem

                    não é de deus

                    nem do diabo”

 

se a terra fosse de deus

ele não morava no céu

nem botava o pobre diabo no inferno

...............................................................................

     agora, com essas duas certezas, uma dúvida não cala:

     isto é mesmo a terra

     ou é uma ideia do que é terra?

 

                              (será que estamos no inferno?)

coração pulsante e dilacerado de um amante nada amado

Janeiro 22, 2016

 

me corto a cada amor que tenho

e vou me cortando a vida toda

a única função que tenho na vida

é me cortar, me ferir, me ver sangrar

e pelo sangue que eu vejo escorrer

eu poupo as lágrimas dos olhos

               — e choro vermelho meu sofrimento

 

minha função na vida

— se é que tenho função na vida —

é cortar quem eu amo

e vou cortando e ferindo e achando graça

da desgraça que é amar                    

quem nunca me amou

e só repousou em meu poço de ardor

por noites que valeram segundos

               (meu choro vermelho é meu sofrimento)

 

e os pulsos que ganem querendo logo a morte

e o chão que cisma beber o sangue

e o sangue que cisma comer o chão

e o coração tem medo de parar

de sentir e de amar

e dizer sim ao invés de dizer não

e de se abrir tanto a qualquer um

               (a vermelhidão do choro é da cor do meu amor)

 

e quanto mais me corto

mais me morro

nesse caminho torto

nesse morro morto que é o amor

nessa montanha íngreme

nessas palavras de dor

nessas dores de amores

perdidos

e sofridos

de amor sem amor

               (haja pulso pra tanta morte!)

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D