Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

blogue do siman

escritor • crítico • diretor de teatro • editor

o beijo

Janeiro 31, 2018

 

pra que temer a onda?

onda é vento com mar

 

é iansão beijando

lábios molhados de iemanjá

 

a onda que chupa a areia

& a onda que chupa a onda

que chupa a areia

 

vendo o beijo na boca & na veia

olhar fixo de gioconda

mar é fria lareira

 

sigo cravado no mar

& meus pés n'areia terçã

 

um beijo de três amantes

eu, iemanjá & iansã

 

nova viçosa, bahia

30 de janeiro de 2018

o mar

Janeiro 27, 2018

27072385_546208949087196_3460326662862396641_n.jpg

 

o mar ao léu

o mar & o céu

o mar no sol

 

ora me acariciam os pés as ondas

ora me espancam rebentações

 

o mar é um devaneio —

bebendo-me o mar sacia-se

enquanto trama o arrebol

 

o mar ao léu

o mar & o céu

o mar no sol

 

nova viçosa, bahia

27 de janeiro de 2018

chuva

Outubro 29, 2016

aos alunos da escola canuta rosa, que resistiram na primeira escola ocupada do vale do aço

#ocupatudo

#ocupacanuta

#foratemer

 

canuta.jpg

 

estática

a medida drástica

dum desgoverno

          enfermo

faz que estudantes

não aceitem o erro

& ocupem

          as escolas

 

               (

     nas ocupações

          saraus   sorrisos

          aulas     canções

                         )

 

               renasce

     no momento exato

          da praxe

o inesperado

movimento        ocupante

preenche-dor

poema

Julho 20, 2016

 

se for pra recitar um poema

               direi mil vezes

               teu nome

                               : lígia

                                 lígia

                                 lígia

                                   ...

a lígia

Julho 07, 2016

 

beberei o cálice

     de teu vestido

comerei o pão

     de tuas anáguas

devorarei com anseio

     teu sutiã

deleitar-me-ei desesperado

     em tua calcinha

 

hei de alimentar-me somente de teus desejos

                                                               & beijos

                                                               & ventre

saciar-te-ei com minha fome

até deixar-te

                     outra vez

          nua

               em

          (a)pelo

elegia arcaica

Junho 30, 2016

 

andais por caminhos tortos

lutais por ideais distorcidos

esqueceis dos velhos amigos

pendurais

                    nas paredes de tua residência

                    os retratos dos mortos

 

          (tivestes insônia em plena luz do dia

          sofrestes por amores que sabias que não dariam certo

          fizestes de teu pseudo-mundo concreto

          burramente

                              reminiscências aladas

                              de dor e agonia)

 

que seria de ti, passado bucólico

se não vivesses a venerar os defuntos

e pôr-se hermético a novos assuntos?

inauguras

                    todo santo dia santo

                    teu rancor e teu ódio diabólico

fanatismo

Junho 27, 2016

 

Quando penso em alguém, só penso em você.

RENATO RUSSOPor enquanto

 

se te vejo no sábado

passo o domingo inteiro feliz

          na segunda toda

     fico triste

          na terça inteira

     meu coração se dilacera

          em toda a quarta

     lembro-me que te amar é uma dor

          por toda a quinta

     morro de saudades

          na sexta, o dia todo

     fico nervoso

           no sábado, enquanto a noite não chega

     anseio sua volta

veneração

Junho 21, 2016

a lucas, perfeito

 

você

          imerso em estrelas

          deitado nos astros

     todo de nádegas

               e coxas

               e pênis

 

     todo de amores

               e terrores

               e mesuras

 

                              seu corpo imerso

                                               intacto

                                               incólume

                                   que entregas-me

                                   a fim de que o use

                                        mas sem saber

                                        que, na verdade

                                                  você me usa

                                                  com ânus

                                                       e umbigo

                                                       e peitos

 

lábios carmim

                         úmidos

          postos contra os meus

          que me beijam

          em momento de delícia infinita

          cabível apenas ao universo

                         e à grandeza imensa das galáxias

 

               sua beleza

               seu corpo

               sua alma

                              postos contra

                              minha beleza precária

                              meu corpo familiar

                              e minha triste alma

 

todo de nádegas

               e coxas

               e pênis

                              descansa sobre os lençóis estrelados

                              de meus sonhos

 

               adoro-te!

               estrela das estrelas!

               beleza das belezas!

               corpo onipresente!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D