Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

blogue do siman

escritor • crítico • diretor de teatro • editor

Cultura do estupro: a culpa também é nossa

Maio 28, 2016

 

     Nesta semana o país inteiro se voltou para o fato absurdo de uma adolescente ter sido estuprada por trinta e três homens no Rio de Janeiro na noite desta quinta-feira (26). Afinal, o que leva homens a praticarem um ato tão horripilante como este?

     Não há uma solução a curto ou médio prazo para desconstruir esta maldita cultura do estupro, pois é uma herança que temos do patriarcalismo (que ainda reina na nossa sociedade, mesmo que com menos intensidade — relativo aos séculos XVIII e XIX) que tem raízes fincadas na história.

     Uma menina é criada para não sair à noite, não vestir roupas curtas, não usar batom vermelho e outras coisas absurdas que cresce ouvindo; na verdade, o menino deveria ser ensinado que o corpo é propriedade da mulher — e tão somente dela —, que violentar uma mulher é crime e é digno de repúdio, que menosprezar o sexo feminino não é correto, tendo em vista que todos são iguais, etc., etc., etc.

     A cultura do estupro só será desconstruída quando a discussão de gênero e respeito for cultivada nas escolas e no âmbito familiar, propondo pontos de vista absolutamente diferentes deste, de que a culpa é da vítima, e não do agressor.

     A culpa desta adolescente ter sido estuprada não é somente dos homens que a estupraram, muito menos dela: a culpa também é nossa, e o sangue de milhares de mulheres que são violentadas todos os dias no Brasil e de milhões em todo o mundo escorre por nossas mãos; escorrem também — e principalmente — pelas mãos do Congresso, que alimenta, com esta onda conservadora, cada vez mais a famigerada cultura do estupro. Somos todos Pilatos. Lavamos nossas mãos e esquecemos da responsabilidade que temos na propagação da misógina cultura do estupro.  Mulheres cis e trans são mortas diariamente após serem violentadas, e nos calamos diante deste fato. Guardamos em nossos rostos um “silêncio sorridente” e irônico diante da violência contra a mulher.

     E agora, no cenário político atual, a mulher é tão somente minoria, simplesmente escrava braçal e sexual de monstros famintos e desumanos.

     Como diria a adolescente estuprada nesta quinta, “não dói o útero, e sim a alma!”

     Isto não precisava acontecer para que acordássemos deste coma de submissão em que estamos confortavelmente instalados. Não nos esqueceremos de todas as mulheres já violentadas, e não cultivaremos mais esta cultura inescrupulosa do estupro! Lutemos pelo direito de ir e vir e pela autonomia da mulher, acima de tudo!

     Estupradores não passarão!

 

Vinícius Siman

Ipatinga, 28 de maio de 2016

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D