Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

blogue do siman

escritor • crítico • diretor de teatro • editor

ocioso oceano

Janeiro 30, 2016

 

mente, oh mente minha

por que insistes tanto no real?

por que não crês no que crias?

          minta, mente minha, minta

          e sinta

          o que só quem mente

          sente

 

quantas vezes, oh mente

me prendeste à realidade?

a esta realidade inútil e mentirosa?

por que não mentes a teu favor?

                                  a meu favor, oh mente

                                       por que não mentes?

 

                    e no orifício

          oculto

                    do ofício

          bruto

entrega-te ao gozo do esplendor

do pensar

do não-ver

do não-objeto

da não-coisa-humana

e sinta, oh mente profana

e minta pra si mesma

e minta

e minta

E MINTA!

 

               oh, mente que tramita

               pelos corredores mais obscuros

               das mais obscuras vidas

               por que não mentes

               oh mente?

               por que só crês

               naquilo que vês?

     naqueles três

     que andam de braços dados?

               (olha a corrente

               que mata gente...)

e ouço um som obscuro

          por detrás do muro

          e que por obséquio me seca

          e eu me seco neste som fosco

          nesse povo tosco

          de mãos dadas

               (...olha a corrente

               que não perdoa nada...)

 

                                                  realidade

                                                  saia de minha mente pueril

                                                  e faça-me ver a verdade

                                                                          a verdade que ninguém nunca viu

 

oh mente, mente minha

por que insistes no visível

no risível mundo real?

seja séria: não faça-te mal

 

               mente, oh mente minha

               quisera eu que jamais visses as mentiras deste mundo real

               quisera eu que vivesses em plena fantasia

                                                       em plena luz do dia

                                                  no sol que raia da janela e expulsa os astros pra dentro de casa

                                                  nos duendes e nas ninfas e nas fadas

                                                  nos gnomos que não vê-se quando está-se sóbrio

                                                  no opróbio

                                                  desenvolver-se do sódio

                                                                            do sádico

                                                                            do nórdico

                                                                            do rádio de pilha da cozinha

                                                                            onde a cozinheira agora escuta amado batista

 

(e nas galáxias que insistem em ser eu

e nas curvas da mulher que desejo

e no toque e no olhar e no beijo

e no lampejo de ideia a cessar

na vela que na saleta se acendeu

e na lâmpada que mais tarde se acenderá)

 

          corpo corpo

          corpo meu

          que de meu nada tem

          se nem minha mente mente quando quero

                    e se nem me dá graça quando ganho desdém

          corpo corpo

          corpo além-

                              mar

                              sonhar

                              cantar

                              imaginar-

                                               se

                              marginalizar-

                                                     se

                              cantar-se

                              sonhar-se

                              (a)mar-se

 

se minha mente talvez fosse mar

seria ocioso oceano

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D